Parte do coletivo Soylocoporti

Cultura, comunicação e integração latino-americana

Arquivo

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Confira os 113 ganhadores do prêmio Areté

, ,

Está disponível para consulta a lista dos premiados e classificados no prêmio Areté Cultura Viva – Eventos em Rede, da Secretaria de Cidadania e Cultura, SCC-MinC. O Coletivo Soylocoporti, que apresentou proposta juntamente com o Movimento Música Para Baixar para a realização de um Festival de Música Livre, foi habilitado e classificado, mas não está entre os premiados.

Veja abaixo matéria do MinC:

Foram contemplados 113 projetos de 25 estados brasileiros (apenas o AC e AM não enviaram projetos para a premiação). Entre os premiados constam os mais diversos segmentos culturais, desde manifestações populares à participação de representantes de Pontos de Cultura em eventos internacionais.

Os prêmios variam entre R$ 10 mil, R$ 25 mil, R$ 50 mil, R$ 75 mil e R$ 100 mil. O objetivo do reconhecimento é o fomento da celebração da diversidade cultural brasileira como ação de política pública que promova e fortaleça as comunidades e sua produção cultural.

Os classificados que não foram premiados têm até o dia 27 (quinta-feira) de maio para enviar pedidos de recursos. O resultado de avaliação de recursos está previsto para sair na edição do dia 28 (sexta-feira) de maio no Diário Oficial da União.

Entre os premiados constam projetos inscritos por 13 agrupamentos (grêmios, associações e outras entidades), 16 pessoas físicas, 20 Organizações não-governamentais (ONGs) e 64 Pontos de Cultura. Entre os classificados a numeração foi de 21 ONGs, 22 pessoas físicas e 198 Pontos de Cultura. Não houve outros agrupamentos envolvidos.

A comissão julgadora reforça que os 76 projetos desclassificados não haviam firmado a parceria com um Ponto de Cultura, exigência presente no edital do prêmio, ou foram enviados fora do prazo. Responsáveis por outros diversos projetos que não cumpriam as exigências relacionadas à documentação foram contatados por funcionários da SCC e enviaram os documentos necessários.

Distribuição por estados

Por estado, a distribuição dos premiados contemplou 46 projetos da região Sudeste, 38 da região Nordeste, 12 da região Centro-Oeste, nove da região Sul e oito da região Norte. O estado com mais contemplados foi São Paulo (23), seguido do Rio de Janeiro (14) e Pernambuco (9).

A seleção aconteceu entre os dias 3 e 7 de maio, quando foram analisados cerca de 420 projetos. O investimento do MinC na premiação é de R$ 4 milhões.

share save 171 16 Confira os 113 ganhadores do prêmio Areté

Nenhum comentário »

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Convocatória para Assembleia Geral 2010

, ,

Soylocoporti – Pela Integração Latino-Americana

Pontão de Cultura Kuai Tema

CONVOCATÓRIA

Curitiba, 03 de fevereiro de 2010

Prezados associados, prezadas associadas,

De 5 a 7 de março de 2010, o Coletivo Soylocoporti realiza sua 3ª Assembléia Geral Ordinária. Ela ocorrerá no CEPAT (Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores), na rua João Batista Gabardo, 158, Sítio Cercado, Curitiba – PR, com abertura oficial às 18 horas do dia 5 de março.

Com base no Estatuto Social do Coletivo Soylocoporti, entre os objetivos principais da Assembléia Geral estão:

a) eleger o Conselho Diretor e o Conselho Fiscal;

b) aprovar as contas da associação;

c) as diretrizes políticas de atuação da entidade;

d) definir o planejamento de trabalho anual;

e) deliberar sobre Núcleos de Trabalho ou Programas Estratégicos;

f) apreciar o parecer do Conselho Fiscal relativo à prestação de contas;

g) deliberar sobre inclusão ou exclusão de associados.

Também serão debatidos na assembléia os seguintes temas:

a) conjuntura de Comunicação, Cultura e América Latina;

b) avaliação interna do Soylocoporti;

c) agenda política;

d) financiamento institucional, debate de prestação de serviço e contribuição financeira;

e) utilização dos prêmios;

f) outros temas pertinentes.

Convocamos as associadas e os associados do Soylocoporti a participar da Assembléia, que será constituída “por todos os associados em pleno gozo de seus direitos estatutários, tendo direito a voto os associados efetivos”, conforme determina o estatuto da entidade. Lembramos que é dever dos associados efetivos participar da Assembléia, e qualquer ausência deve ser, portanto, justificada. Associados efetivos que deixarem de comparecer à Assembléia Geral ordinária por dois anos consecutivos sem justificativa por escrito podem ser desassociados.

Contamos com sua participação.

Atenciosamente,

Rodrigo Bonifácio Vieira, representante jurídico, pelo Conselho Diretor.

(Angélica Varejão, Érico Massoli Ticianel Pereira, Gustavo Guedes de Castro, João Paulo Mehl, Marco Antônio Konopacki, Michele Torinelli, Rachel Callai Bragatto e Rodrigo Bonifácio Vieira).

Coletivo Soylocoporti

Rua Itupava, 1299 Cj 312 – Hugo Lange – Curitiba – PR

(41) 3092-0463 – contato@soylocoporti.org.br

http://www.soylocoporti.org.br

share save 171 16 Convocatória para Assembleia Geral 2010

Nenhum comentário »

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

, ,

Por Michele Torinelli

dsc 0050 1024x680 Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

Prédio onde ocorreu o II Fórum de Mídia Livre, na UFES

No último dia 04, integrantes do Coletivo Soylocoporti voaram rumo a Vitória (ES) para participar do II Fórum de Mídia Livre (FML), realizado na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). A programação foi intensa e os participantes, diversos: 60 das 82 iniciativas contempladas com o Prêmio de Mídia Livre, lançado pelo Ministério da Cultura esse ano, estavam representadas no encontro.

dsc 0018 230x152 Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

Momento do debate no GT "Fazedores de Mídia Livre"

Após a abertura oficial, deu-se início aos trabalhos. No espaço “Fazedores de Mídia Livre”, discutiu-se o conceito de midialivrismo, as dificuldades de sustentabilidade no setor, o direito à livre expressão, a relevância social da apropriação das ferramentas de comunicação e novas ideias de experiências em mídia livre. Contribuíram para o debate Antônio Martins (Diplô na Rede), Marcelo Branco (Campus Party), Henrique Antoun (UFRJ), Pedro Markun (Jornal de Debates), Túlio Vianna (advogado e blogueiro), Edson Mackenzy (Videolog.com), Altino Machado (jornalista e blogueiro), João Caribé (consultor de mídias sociais / blogueiro), entre outros. Os demais Grupos de Trabalho tiveram como tema “Políticas de Fortalecimento da Mídia Livre” e “Formação para a Mídia Livre”.

Concomitantemente às discussões acerca do midialivrismo, realizou-se o Festival de Música Livre, que contou com debates e apresentações da cena independente durante a noite. Foram cerca de vinte shows de diferentes estilos e bandas de variadas regiões do país. O Festival aconteceu nas noites de 03, 04 e 05 de dezembro.

Troca entre Pontos

dsc 0023 230x152 Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

Atividade "Juntando as pontas dos Pontos de Mídia Livre"

O segundo dia do Fórum (05/12) foi dedicado à troca de experiências. A atividade “Juntando as Pontas dos Pontos de Mídia Livre” permitiu a apresentação de diversas iniciativas de midialivrismo e um debate sobre sustentabilidade, além de propostas de consolidação da rede dos Pontos de Mídia Livre.

No último dia do encontro (06/12), os Pontos definiram as prioridades do debate midialivrista para a Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), que será realizada em Brasília entre os dias 14 e 17 de dezembro, e apontaram propostas a serem defendidas por eixo temático. Discutiu-se também a continuidade do Grupo de Trabalho Executivo (GTE) do Fórum de Mídia Livre, para o qual o Coletivo Soylocoporti disponibilizou sua contribuição. O primeiro encontro deste GTE renovado, que conta com 19 entidades, deve ocorrer em fevereiro de 2010.

dsc 0045 230x152 Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

Troca de experiências entre os Pontos de Mídia Livre marcou o FML

O FML permitiu uma rica troca de experiências e apontou alguns caminhos para o midialivrismo: cursos de formação e linhas de pesquisa sobre mídia livre no âmbito acadêmico, articulação de proposta de edital Pontos de Mídia Livre junto às secretarias de cultura nos estados e municípios e integração da rede de Mídias Livres com o movimento de Economia Solidária.

Alguns dados desse relato foram tirados da página do Programa Cultura Viva.

share save 171 16 Construção e troca: II Fórum de Mídia Livre

2 comentários »

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Pelo direito a voz e pela democratização do conhecimento

, ,

Por Michele Torinelli

O que é a cidadania? Será que devemos nos contentar em exercê-la na escolha restrita inerente ao ato de consumo e inserindo nossos votos em urnas de dois em dois anos? Para incidir de fato em nossa realidade e contribuir na sua contínua construção, devemos discuti-la. Isso significa olhar à nossa volta e interpretar as informações que nos chegam, elaborando discursos próprios. O midialivrismo segue essa lógica e vai além: atua em redes. Ou seja, os diversos olhares se cruzam, trocam suas impressões, numa dinâmica de construção coletiva.

Imagine se o brilhante sujeito que manipulou o fogo pela primeira vez tivesse a não tão brilhante ideia de patentear a sua descoberta. Parece absurdo? Mas não é o mesmo princípio dos direitos autorais? Por que não contribuir para a expansão do conhecimento, e criação de novas ideias a partir dele, e continuar fomentando a lógica da competição? Se tivesse sido assim com o fogo, muito provavelmente a tecnologia ainda estaria engatinhando devido à falta de compreensão de coletividade de um único sujeito, que desconsiderou haver utilizado as forças da natureza e o conhecimento acumulado por diversas gerações. A partir do momento em que deixarmos de querer tirar vantagem de nossas descobertas, poderemos utilizar o conhecimento desenvolvido pelos outros, e a sociedade como um todo só ganhará com isso. As licenças flexíveis e as iniciativas de software livre atuam nesse sentido.

Tal raciocínio também se aplica ao uso restrito dos meios de comunicação. Afinal, trata-se de tecnologias que permitem a ampliação do discurso, o diálogo em escala social. Então por que eu não tenho direito de utilizar as ondas de radiodifusão, emitidas no ar – esse espaço que não pertence a ninguém e é utilizado por todos, para emitir a minha opinião? Por qual motivo a Globo pode chegar a mais de 90% dos lares com sua programação repleta de estereótipos e preconceitos e você tem que se contentar a assistir Video Game na sala de espera do dentista?

Está mais do que na hora de reivindicarmos o que nos pertence! Um meio de comunicação que ainda é livre e tem custo relativamente baixo é a internet. A partir dela, podemos estabelecer redes e conectar outras análises do cotidiano, que muitas vezes não estão presentes na mídia hegemônica. É claro que temos que levar em consideração que nem todos têm acesso à internet, por isso a necessidade da universalização da banda larga, da ampliação de telecentros e de formação popular nas tecnologias da informação e no processo de construção do discurso. Também devemos ficar atentos e impedir que projetos de controle da rede se consolidem. Mas é fato que a internet permite que, talvez pela primeira vez, utilizemos a comunicação para a construção popular da realidade, em larga escala e de forma interativa, e questionemos o monopólio dos demais meios de comunicação e a lógica de mercado que prioriza o lucro ao desenvolvimento social.

Comunicação não é só entretenimento e negócio. Antes e acima disso, exercer a comunicação é direito humano, que só será cumprido se nos apropriarmos de seu potencial e reivindicarmos sua democratização.

Essas reflexões são resultado dos debates do II Fórum de Mídia Livre, que ocorreu de 04 a 06 de dezembro na Universidade Federal do Espírito Santo, em Vitória. Participaram representantes das iniciativas contempladas pelo Prêmio de Mídia Livre, midialivristas e demais interessados. Saiba mais sobre o FḾL.

share save 171 16 Pelo direito a voz e pela democratização do conhecimento

Nenhum comentário »

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Comunicação em pauta

, ,

Por Carolina Goetten

Quatro dias para debater o papel social da mídia parece insignificante diante da dimensão do poder desigual e oligopólico que ela exerce sobre a sociedade brasileira. Contudo, levando em conta o movimento em prol da Conferência de Comunicação como a primeira vez em que se questiona o outrora inquestionável sistema midiático do país e, principalmente, em que se discutem propostas para democratizá-lo, evidencia-se um avanço considerável: convocar a Confecom Nacional e todas as suas etapas preparatórias estaduais são um passo fundamental rumo à redefinição da centralizada estrutura midiática vigente no Brasil.

A comunicação brasileira é controlada por cinco famílias e endossa a deficiência da democracia numa sociedade em que o povo, ironicamente, não exerce seu direito de falar. As grandes redes de televisão, rádio e mídia impressa – abrangentes em poder e reduzidas em quantidade – monopolizam a informação, veiculam o que é de seu interesse e suprimem ou manipulam os fatos que não desejam mostrar. A concentração é densa, rígida, bem estruturada e, para quebrá-la e distribuí-la, é preciso primeiro discutir o tema, notificar as deficiências e apresentar propostas que gerem a transformação. Se antes a grande mídia veiculava e calava, hoje ela ainda veicula, mas já não consegue calar. A Confecom criou um espaço para reunir todos os que se incomodam com o monopólio e propagar cada vez mais esse incômodo, até que se crie uma atmosfera de total repúdio e desejo de transformação.

A Conferência Nacional de Comunicação ocorrerá em Brasília entre 14 e 17 de dezembro e, para garantir um debate pluralizado e estender a discussão mesmo a quem está longe do Distrito Federal, foram criadas etapas preparatórias nos 27 Estados brasileiros. As conferências municipais e estaduais garantem que a discussão distribua-se por todo o território e que o debate atinja todas as regiões do país, independente da localidade, e que diversos municípios possam encaminhar propostas à Confecom Nacional, de acordo com as suas necessidades ou suas visões sociais.

Barreiras ainda no debate

Ainda assim, a importância da mobilização pela conferência parece ter sido ignorada em vários Estados. Em muitos deles, o debate foi convocado pela própria sociedade civil. São Paulo, por exemplo, diante da aparente relutância e do descaso do governo estadual, proferiu o chamado popular pela Confecom por meio da Assembleia Legislativa, o que ocorreu também em Roraima e no Rio Grande do Sul. Já em Tocantins, Santa Catarina e Rondônia, a letargia governamental foi ainda mais crítica: até mesmo os parlamentares se omitiram e a responsabilidade sobre a articulação recaiu sobre a Comissão Organizadora Nacional.

O descaso evidencia que, além da sociedade ter de enfrentar o poderoso oligopólio midiático e todas as dificuldades para desestruturá-lo, ainda se depara com barreiras na criação de espaços que tornem possível discutir e questionar a comunicação. Na contramão da resistência da elite à realização do debate, até agora já foram realizadas quatro conferências estaduais (Paraná, Acre, Piauí e Rio de Janeiro) e 24 ainda ocorrem nas próximas semanas (confira o calendário clicando aqui). Todos os Estados brasileiros terão a etapa preparatória e nomearão delegados para representá-los em Brasília.

Edgard Rebouças, professor da Universidade Federal do Espírito Santo e coordenador do Observatório de Mídia Regional, expõe a importância de agir efetivamente para permitir as mudanças de que o sistema de comunicação brasileiro necessita. Segundo ele, a indignação só surte efeito se acompanhada da luta prática. “É preciso sair da militância romântica e lutar com profissionalismo”, aponta Rebouças.

Estrutura da Conferência

Embora a primeira Conferência Nacional de Comunicação represente um avanço na sociedade brasileira, algumas falhas preservam a desigualdade do próprio tema que discutem. O debate abrangerá três eixos temáticos: meios de distribuição, produção de conteúdo e cidadania (direitos e deveres). Os participantes são classificados em membros do poder público, do setor empresarial ou da sociedade civil organizada e o número de delegados eleitos segue a proporção de 40%, 40% e 20%, respectivamente. Rachel Bragatto, do coletivo Intervozes, aponta que esse peso é injusto e foi assim estabelecido quando os empresários ameaçaram se retirar da Confecom, caso o número de delegados que pudessem nomear fosse reduzido. “Em nenhuma outra conferência o setor empresarial teve uma representação tão grande, tão alta e tão desigual em relação ao tamanho que representam na sociedade brasileira. A sociedade civil não é só 40%: é 99% do Brasil”, expôs Rachel na solenidade de abertura da Confecom paranaense.

A Confecom Nacional terá como tema Comunicação: meios para a construção de direitos e de cidadania na era digital, presidida pelo Ministério das Comunicações e das Secretarias da Presidência da República e de Comunicação Social. A mobilização foi acionada pela Comissão Organizadora, composta por órgãos públicos e entidades da sociedade civil.

A comunicação que queremos

Nos debates, a essência é a mesma: é preciso garantir a participação da sociedade civil no sistema de comunicação, seja por meio de rádios comunitárias, TVs públicas, telefonia ou propostas de inclusão digital. A comunicação é um direito humano e esse direito não é completamente respeitado se os cidadãos não têm meios para manifestarem sua voz.

Aniela Almeida, diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná, defende que é preciso lutar pela complementaridade dos sistemas público, estatal e privado. Ela cita a concentração cruzada da mídia paranaense como exemplo da distribuição desigual entre os setores: “aqui, a Globo possui 11 veículos através da RPC, em seguida vem a RIC com sete veículos e grupo Massa, também com sete”.

Entre as bandeiras, estão o controle das concessões de emissoras, descriminalização das rádios livres, distribuição mais justa dos canais de TV, tendo as veiculações públicas como prioridade e o Estado como aliado nessa transformação. Enquanto o setor privado for o detentor do monopólio midiático, a voz popular fica oculta, tímida e reprimida. Se a Conferência da Comunicação é o primeiro passo para garantir o direito humano de exercer e receber informações, ele precisa ser bem medido, bem calculado e bem estruturado, para que o passo seguinte – que efetiva as reivindicações e mantém firme a caminhada – ocorra em equilíbrio, sem cambalear.

NÚMEROS DA CONFERÊNCIA DO PARANÁ
800 inscritos
500 participantes, em média, nos três dias
177 propostas encaminhadas à Conferência Nacional
81 delegados (nove do poder público, 36 da sociedade civil e 36 da sociedade empresarial)
8 palestrantes entre três painéis de discussão

share save 171 16 Comunicação em pauta

Nenhum comentário »

terça-feira, 23 de junho de 2009

Expedição Kuai Tema visita região norte do Paraná

, , ,

Entre os dias 31 de maio e 6 de junho parte da equipe Kuai Tema esteve em expedição visitando os pontos de cultura da região norte do Paraná. O documentador, Gustavo Guedes, e o articulador, Érico Massoli, conheceram in loco a realidade vivida pelas comunidades impactadas pelas iniciativas e também as dificuldades e desafios enfrentados pelas associações culturais que tocam os projetos.

Ao todo foram visitadas nove iniciativas nas cidades de Londrina, Maringá, Cambé, Cornélio Procópio e Sertanópolis. Embora nem todos sejam pontos de cultura oficialmente conveniados com o MinC, já realizam atividades culturais com a comunidade e têm relevância local. Além disso, foram realizadas conversas com alguns órgãos públicos e parceiros potenciais.

Dentre os pontos de cultura visitados estão: Resgate da Cultura Camponesa, de Maringá, Malha Cultural e Cidadania, de Cambé, Arte por toda arte, de Cornélio Procópio, Pólo APAC, de Sertanópolis e Casa do Teatro do Oprimido, Escola Londrinse de Circo, Cia de Theatro Fase 3, Kino Arte e Pontão Cuca PR, todos de Londrina.

De modo geral, as impressões são positivas. Para o articulador Érico Massoli, “percebeu-se que os pontos são, via de regra, articuladores culturais importantes, buscando exercer a função social da cultura”. Evidente que a realidade encontrada não é homogênea e que há disparidades na atuação dos pontos. Alguns deles atuam voltados para públicos segmentados, como o Cuca, cujo objetivo é atingir os estudantes universitários de Londrina. Já outros estão mais preocupados com o impacto comunitário, buscando levar oficinas de arte a pessoas em situação de risco social – caso do Malha Cultural e Cidadania.

Segundo o documentador Gustavo Guedes, “nos municípios menores, onde a política cultural é, geralmente, tratada como acessório, é possível reconhecer de forma mais direta o impacto, uma vez que a comunidade, como não tem muitas opções disponibilizadas pelo poder público, se apropria das iniciativas de forma concreta”.

Para que o mergulho na cultura paranaense não pare por aqui, o Soylocoporti e o Pontão de Cultura Kuai Tema seguirão publicando matérias sobre as iniciativas visitadas. O objetivo é detalhar e esmiuçar tanto o impacto quanto as dificuldades encontradas pelos bravos paranaenses que se dedicam à inglória luta de se fazer cultura no estado.

Nosso viés continuará sendo o direito humano à cultura e as diversas formas de exercer essa função social básica que a cultura e a arte devem ter. Venha conosco nessa expedição! Siga nos acompanhando pelo blog: www.kuaitema.soylocoporti.org.br ou visite nosso portal: www.soylocoporti.org.br.

share save 171 16 Expedição Kuai Tema visita região norte do Paraná

1 comentário »

terça-feira, 12 de maio de 2009

Histórico do Portal Soylocoporti

, ,

Por Marco Amarelo

primeiro site soyloco 230x143 Histórico do Portal Soylocoporti

Primeira versão do site do Soylocoporti. Estático e com pouca interatividade. Nessa época, o site era usado para divulgar a idéia inicial que formou o atual coletivo.

O site do Soylocoporti nasceu de páginas html estáticas em 2005, que tinham pouca interatividade e que era fruto da pouca criatividade para as artes visuais do programador Marco Antônio (o Amarelo). Por isso, o site tinha um desenho, digamos assim, original.

Depois, para dar um pouco mais de interatividade, o Soylocoporti passou a ser um wiki na plataforma TikiWiki. Desde o começo, acreditávamos que se queríamos construir um movimento que se organizasse na Web, nossas ferramentas deveriam

blogoficialterceiro1 230x159 Histórico do Portal Soylocoporti

Site do Soylocoporti agora no formato wiki. Contribuição do desenho era de Marcello Guedes, associado fundador do Soylocoporti. A partir desde momento o Soylocoporti ganhava seu formato colaborativo que orienta a atuação do Soylocoporti hoje.

ser ricas de interatividade e com acesso amplo a quem quisesse contribuir. Depois de passar quase dois anos como um Wiki (depois ainda na plataforma MediaWiki), o Soylocoporti passou por uma ampla reformulação e experimentou o até então pouco conhecido WordPress-MU. Seu diferencial era que as pessoas poderiam ter seus Blogs pessoais integrados numa rede maior. Ou seja, as pessoas dentro do Soylocoporti poderiam passar a ter uma identidade própria dentro de um coletivo maior.

blogofical segundo 230x151 Histórico do Portal Soylocoporti

Desenho do Blog oficial do Soylocoporti na sua primeira implementação na atual plataforma: o Software Livre WordPress-MU.

Esta é a plataforma que está até hoje. Seu último desenho foi concebido em parceria com a empresa Ethymos Soluções Web, que contribui de maneira militante.  O Soylocoporti agrupa 64 Blogs de contribuidores de diversas partes da América Latina.

share save 171 16 Histórico do Portal Soylocoporti

2 comentários »

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Ambientando-nos: desembarque em Belém do Pará

, ,

fsm aeroporto internacional val de cans 230x171 Ambientando nos: desembarque em Belém do Pará

Chegamos à Belém do Pará. A cidade é quente e úmida, como esperávamos. Entretanto o calor não é tão grande a ponto de nos deixar inertes. Pelo contrário, o primeiro contato com a cidade foi rico e já gera expectativas.

Após desfazer as malas, fomos almoçar no Mercado Ver-O-Peso. Experimentamos um peixe com açaí e dividimos uma Cerpa, a cerveja local (equivalente a Cerveja Polar em Porto Alegre. Aliás, será que é fundamental ter uma boa cerveja local para pleitear ser cidade-sede do FSM no Brasil?).

À noite nos encontramos com alguns companheiros que estão contribuindo com a organização dos alojamentos e do Acampamento Intercontinental da Juventude. Ficamos a par das principais questões e levantamos algumas bolas relativas à programação.

O dia amanhã será de muito trabalho. Temos apenas mais três dias antes do início das atividades – que ocorre, para nós, no dia 26/01, com o Fórum Mundial de Mídia Livre. Siga acompanhando aqui os relatos e contribua como puder!

“A união dos povos da América Latina não é simples capricho dos homens, mas sim um inevitável decreto do destino” (Simon Bolívar).

share save 171 16 Ambientando nos: desembarque em Belém do Pará

1 comentário »

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

, , , ,

joao sura 230x173 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

Título do projeto: PROJETO INCLUSÃO DIGITAL E CULTURA NO QUILOMBO.

Instituição proponente: COLETIVO SOYLOCOPORTI.

Região/Cidade de atuação: Adrianópolis (Quilombo de João Surá).

Patrocínio: Centrais elétricas do sul do país – ELETROSUL.

Relator: Marco Antônio Konopacki (Amarelo).

Equipe de execução: Marco Antônio Konopacki, Érico Massoli Ticianel Pereira, Gustavo Guedes de Castro, Angélica Varejão, Michelle Galves Galdeano, Rodrigo Bonifácio Vieira, Fábio Henrique Nunes, Júlia Basso, Quilombola Carla e Quilomboa Lilinha (Monitoras do Telecentro).

Introdução

O projeto inclusão digital e cultura no quilombo do João Surá buscou até o momento implantar uma rede de internet com disponibilidade de acesso 24h; formar uma turma base com visão crítica sobre o uso e aplicação dos recursos de comunicação que a internet providenciou que fossem pró-ativa na disseminação do conhecimento para os demais membros da comunidade.

casa 230x173 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

Cronologia do projeto

21/05/2008

Descrição do evento:

Primeira visita a comunidade. Este momento foi utilizado para que a equipe do projeto pudesse ter o contato inicial com os membros da comunidade e fazer os primeiros levantamentos de equipamentos no local. Foram identificados 5 computadores, sendo um nomeado como servidor e os demais como estação de trabalho. O computador servidor possuia no ato da avaliação um processador Semprom 2800 Mhz com 512Mb de memória RAM e 80 Gb de HD. Os demais computadores possuem o mesmo poder de processamento e memória RAM e se diferenciam por seus HD de 4Gb.

Conclusões e ações posteriores:

Foi concluído que a estrutura montada era adequada para montagem do telecentro, mas ainda tínhamos dúvida sobre a tecnologia para conectividade seria utilizada. Buscamos avaliar o valor de uma ligação de um ponto StarOne (serviço Embratel) na comunidade, mas infelizmente os valores eram impraticáveis para o orçamento do projeto (taxa anual do serviço é de R$ 32.390,00).

A melhor solução a ser adotada para o telecentro é a do GESAC (Governo Eletrônico a Serviço do Cidadão), serviço público do Governo Federal através do Ministério das Comunicações, que garantirá acesso a internet por satélite.

Como conclusão deste trabalho, foi encaminhado ofício do Coletivo Soylocoporti ao Ministério das Comunicações solicitando um ponto de presença GESAC na comunidade quilombola de João Surá.

06/07/2008

Descrição do evento:

Esta visita foi utilizada para testar uma tecnologia alternativa, caso a solução do GESAC atrasasse para ser implantada ou então fosse indeferida. A tecnologia testada foi uma conexão via celular com uma antena amplificadora de 17db para verificar a qualidade de sinal e conexão através deste meio.

Conclusões e ações posteriores:

Os testes com a tecnologia foram surpreendentes e bastante satisfatórios. Nos melhores momentos da conexão, chegou-se a ter uma taxa de downstream e upstream de 140Kbps.

foto1 230x306 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

Antena utilizada para amplificação do sinal de celular

01/08/2008

Descrição do evento:

Após testada a viabilidade do projeto, partiu-se para articulação da comunidade em torno das atividades. Para isso, prezou-se a utilização de métodos que não fossem impositivos, e sim, reflexivos. Neste encontro, procuramos reunir tanto moradores jovens, quanto senhores antigos da comunidade para debater questões pertinentes sobre comunicação. Como forma de fomentar o debate, foi passado o filme brasileiro “como uma onda no ar” do diretor Helvécio Ratton, que trata sobre a história de 4 jovens que se reúnem para montar uma rádio que possa transmitir a voz do povo na localidade onde vivem.

Conclusões e ações posteriores:

Com esta abordagem, percebemos que o interesse da população aumentou e realmente foi desencadeado o debate a cerca da importância da comunicação. Os membros da equipe somente foram facilitadores do trabalho.

Nesta visita, também foi dada a manutenção em todos os computadores para instalação do sistema software livre Ubuntu Linux. Nesta manutenção, percebeu-se que os Hds que estavam nas máquinas estavam fora do padrão. Solicitamos ao sr. Antônio, presidente da associação de moradores, o recibo de entrega dos equipamentos para obtermos a especificação original das máquinas. Neste momento percebemos que os Hds instalados não eram os mesmos que foram entregues na doação. Ao questionarmos o sr. Antônio sobre isso, ele informou que as máquinas haviam saído da comunidade para receberem uma manutenção oferecida pelo instituto IDESC da cidade de Iporanga (vizinha a Adrianópolis). Logo, nos leva a concluir que nessa manutenção feita por terceiro, os Hds foram trocados por Hds antigos.

Para contornar o problema, foi utilizado a verba do projeto para compra de Hds novos, para substituir os equipamentos trocados, e foi registrado um boletim de ocorrência na delegacia de Adrianópolis (vide documentação anexa).

06/09/2008

Descrição do evento:

Nesta visita foi montada a estrutura definitiva do laboratório com a instalação de cabos, hubs, configuração do servidor e das estações de trabalho. Após esse trabalho, foi ministrada a nossa primeira aula do Plano de trabalho, continuando a utilizar o método de Debate e Oficina, para causar o processo reflexivo nos aprendizes.

A primeira aula foi a navegação básica na internet e a criação do endereço de e-mail de cada um dos alunos. Após a exposição destes conceitos básicos, foi feita uma pesquisa na internet sobre o vale do ribeira e sobre comunidades quilombolas.

foto2 230x172 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

ajuste da antena direcional

foto3 230x172 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

servidor de internet

foto4 230x172 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

Detalhe do modem de celular que provê internet

Conclusões e ações posteriores:

Os alunos e alunas envolvidas nessa primeira atividade se mostraram bastante interessados no aprendizado destes novos conceitos e a maioria teve uma absorção muito rápida destes conceitos.

Ao realizar a busca na internet, houve um fenômeno interessante, pois era a primeira vez que eles se viam inseridos neste processo de comunicação. Muitos queriam comentar e interagir com esse mundo novo que passava a se abrir.

Também foi interessante encontrar ações de outras instituições que desenvolvem algum trabalho em João Surá, mostrando resultados que nunca aconteceram. Isso causou revolta, mas ao mesmo tempo gerou a reflexão, de que nem tudo que os meios de comunicação mostram pode ser verdade.

Foi tirado como “tarefa de casa”, uns ajudarem aos outros para que todos tivessem um endereço de e-mail para a próxima aula.

03/10/2008

Descrição do evento:

Nesta ida foi revisado o conteúdo e dado apoio àqueles que não conseguiram criar o seu e-mail ainda. Em seguida foi dado seqüência ao plano de trabalho com a aula sobre a criação de Blogs. Na seqüência dos trabalhos foi realizado o debate de como o Blog pode ajudar na difusão das informações que acontecem na comunidade;

Conclusões e ações posteriores:

Percebeu-se que para fixação do conteúdo anterior seria necessário o aprofundamento e a repetição de alguns conceitos que foram colocados neste encontro. A maioria da aula foi destinada a fixação do conteúdo da aula anterior, o que causou uma pequena quebra em nosso plano de trabalho.

26/10/2008

Descrição do evento:

A visita deste final de semana foi para dar seguimento ao plano de trabalho, contudo, neste momento procurou-se fixar o conteúdo passado na aula anterior sobre a criação de Blogs. Nesta semana também acontecia a semana nacional pela democratização da comunicação, por isso, levamos alguns cartazes e materiais sobre essa atividade para tentar despertar a reflexão dos alunos do porquê que aquilo estava sendo feito.

Conclusões e ações posteriores:

Foi fixado o conteúdo, inclusive com a criação do primeiro Blog deles que é http://meninasdojoaosura.wordpress.com. O debate também foi interessante, pois se buscou questionar conceitos de democracia e participação, o que foi bastante produtivo. Neste momento foi apresentado inicialmente o portal Wikipedia para pesquisa de conteúdo, mas isso será aprofundado na próxima aula.

foto5 230x172 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

Foto das meninas do Quilombo de João Surá em Frente ao Telecentro

Resultados obtidos

  • Conexão de internet no quilombo de João Surá;
  • Turma base de 5 meninas e 2 meninos em processo de formação;
  • Dois artigos publicados no portal soylocoporti.org.br: “A descoberta da cidadania” por Marco Antônio Konopacki e “Quilombo de João Surá dá lição de vida” por Érico Massoli Pereira;
  • Publicação e apresentação em eventos dos resultados do projeto, inclusive no Festival de Cultura da UFPR;
  • Reconhecimento pela comunidade acadêmica da Universidade Federal do Paraná;
  • Aprovação de mais um edital no valor de R$ 100.000,00 através da Secretaria de Estado, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná – SETI, para um projeto que trabalhará com desenvolvimento sustentável na comunidade e utilizará a estrutura de internet criada por esse projeto para dar continuidade às suas atividades no Quilombo;

Conclusão geral

Apesar das dificuldades o projeto Inclusão Digital e Cultura no Quilombo está sendo executado conforme o planejado. Acreditamos que a implantação do ponto GESAC (ainda em tramitação no ministério das comunicações) na comunidade dará maior segurança para continuidade do projeto, visto que hoje a solução implantada depende de custos de manutenção que só poderão ser mantidas até junho do ano que vem. Se for possível, pedimos que a própria Eletrosul nos ajude a “cobrar” do Ministério a liberação do ponto GESAC com urgência.

Neste meio tempo, percebemos forte solidariedade entre os membros da comunidade, de ajuda uns aos outros no aprendizado para utilização das ferramentas. Acreditamos que este é um processo de construção de outro formato de valores, baseados no comunitarismo que pode ajudar a comunidade a construir novos tipos de relação dela com sua população e dela com o ambiente externo.

<!– BODY,DIV,TABLE,THEAD,TBODY,TFOOT,TR,TH,TD,P { font-family:”Arial”; font-size:x-small } –>

Balanço Financeiro – Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá
Saldo Atual

R$ (4.113,85)
Movimentações Financeira
Data Registro Valor Saldo na data
28/04/08 1ª parcela patrocínio R$ 4.000,00 R$ 4.000,00
07/05/08 Correios -R$ 27,80 R$ 3.972,20
22/05/08 Combustível -R$ 75,00 R$ 3.897,20
23/06/08 Correios -R$ 22,70 R$ 3.874,50
04/07/08 Antena/Cabo -R$ 180,00 R$ 3.694,50
05/07/08 Alimentos/Refeições -R$ 39,69 R$ 3.654,81
06/07/08 Combustível -R$ 25,00 R$ 3.629,81
06/07/08 Alimentos/Refeições -R$ 9,00 R$ 3.620,81
21/07/08 Fita MiniDV -R$ 87,40 R$ 3.533,41
22/07/08 Equipamentos rede -R$ 14,80 R$ 3.518,61
23/07/08 Equipamentos Informática****** -R$ 438,00 R$ 3.080,61
23/07/08 Tecido Cortina -R$ 86,70 R$ 2.993,91
24/07/08 Papelaria e Informática -R$ 61,40 R$ 2.932,51
25/07/08 Equipamentos rede -R$ 13,85 R$ 2.918,66
25/07/08 Equipamentos rede -R$ 240,00 R$ 2.678,66
26/07/08 Alimentos/Refeições -R$ 53,77 R$ 2.624,89
27/07/08 Combustível -R$ 29,00 R$ 2.595,89
28/07/08 Combustível -R$ 7,14 R$ 2.588,75
01/08/08 Combustível -R$ 7,00 R$ 2.581,75
09/08/08 Fita MiniDV -R$ 240,00 R$ 2.341,75
15/08/08 Correios -R$ 11,10 R$ 2.330,65
15/08/08 Equipamentos Informática -R$ 595,00 R$ 1.735,65
15/08/08 Alimentos/Refeições -R$ 62,37 R$ 1.673,28
18/08/08 Combustível -R$ 52,00 R$ 1.621,28
18/08/08 Alimentos/Refeições -R$ 7,57 R$ 1.613,71
05/09/08 Equipamentos rede -R$ 35,00 R$ 1.578,71
05/09/08 Cadeado -R$ 42,00 R$ 1.536,71
06/09/08 Alimentos/Refeições -R$ 75,34 R$ 1.461,37
06/09/08 Combustível -R$ 54,00 R$ 1.407,37
06/09/08 Equipamentos rede -R$ 18,55 R$ 1.388,82
08/09/08 Combustível -R$ 60,90 R$ 1.327,92
15/09/08 Combustível -R$ 57,00 R$ 1.270,92
22/09/08 Tarifa pacote de serviços -R$ 65,00 R$ 1.205,92
24/09/08 Combustível -R$ 20,00 R$ 1.185,92
25/09/08 Combustível -R$ 10,00 R$ 1.175,92
03/10/08 Combustível -R$ 30,00 R$ 1.145,92
07/10/08 Combustível -R$ 15,00 R$ 1.130,92
11/10/08 Combustível -R$ 30,00 R$ 1.100,92
17/10/08 Combustível -R$ 20,00 R$ 1.080,92
20/10/08 Tarifa pacote de serviços -R$ 65,00 R$ 1.015,92
21/10/08 Combustível -R$ 30,00 R$ 985,92
23/10/08 Banners -R$ 212,00 R$ 773,92
27/10/08 Produção de Vídeo -R$ 1.500,00 R$ (726,08)
27/10/08 Combustível -R$ 30,00 R$ (756,08)
28/10/08 Desenvolvimento WebSite -R$ 1.200,00 R$ (1.956,08)
01/11/08 Combustível -R$ 25,00 R$ (1.981,08)
02/11/08 Combústivel -R$ 30,00 R$ (2.011,08)
13/11/08 Placa PVC + Banner -R$ 52,00 R$ (2.063,08)
15/11/08 Combustível -R$ 50,77 R$ (2.113,85)
30/11/08 Coordenação do Projeto (RPA) -R$ 1.157,00 R$ (3.270,85)
30/11/08 INSS -R$ 143,00 R$ (3.413,85)
30/11/08 Documentador -R$ 623,00 R$ (4.036,85)
30/11/08 INSS -R$ 77,00 R$ (4.113,85)
Saldo 30/11/08

R$ (4.113,85)
share save 171 16 Projeto de Inclusão Digital e Cultura no Quilombo de João Surá

2 comentários »

Blog integrante da rede Soylocoporti