Parte do coletivo Soylocoporti

Cultura, comunicação e integração latino-americana

Arquivo do assunto ‘Porto Alegre’

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Para que todas as mídias sejam livres

, , , , , ,

III Fórum de Mídia Livre aponta comunicação como pauta estratégica e transversal para as diversas lutas e convoca mobilização rumo à Rio +20

1.coletivo.fora .do .eixo  Para que todas as mídias sejam livres

Abertura do III FML, que aconteceu nos dias 27 e 28 na Casa de Cultura Mário Quintana). Imagem: Fora do Eixo.

Porto Alegre, berço do Fórum Social Mundial (FSM), recebeu novamente o encontro por um outro mundo possível, dessa vez em sua versão regional e com o tema “crise capitalista, justiça social e ambiental”. Entre as várias atividades que tomaram a cidade no final de janeiro, o III Fórum de Mídia Livre (FML) foi palco para a troca de experiências de comunicação e a construção de estratégias comuns.

A programação contou com relatos e análises da Primavera Árabe, da luta pela libertação palestina, dos indignados de Espanha e da regulamentação da mídia no Brasil pós Conferência Nacional de Comunicação e na Argentina – onde a Lei dos Meios foi aprovada. Outro tema de debate foram as “redes em redes”, que partiu de experiências para chegar em perspectivas de apropriação conjunta de práticas e plataformas livres, que facilitem a conjunção das diferentes lutas por uma sociedade mais digna, justa e livre.

Apropriação tecnológica, direito à comunicação e políticas públicas de comunicação

O III FML organizou-se a partir desses três eixos complementares entre si. O primeiro abrange as práticas de comunicação e a queda da barreira entre emissor e receptor – mais do que nunca, todos produzem e recebem informação, e surgem remixes e hibridizações. O segundo trata da importância de trazermos à tona os diversos discursos sociais e de garantirmos seu reconhecimento, para que a pluralidade de nossa sociedade encontre espaço nos meios de comunicação e escapemos à ditadura do pensamento único. Já o eixo referente às políticas públicas aborda a necessidade da regulamentação da mídia no Brasil, onde temos um cenário assustador de monopólio da radiodifusão e de falta de transparência e participação social nos processos decisórios.

Os eixos se complementam porque não basta nos apropriarmos dos meios acessíveis, desenvolvermos novas linguagens e que a mobilização social aconteça de forma efetiva e horizontal se os artigos da Constituição Federal referentes à comunicação continuarem sendo ignorados e carecendo de regulamentação, mantendo a propriedade dos meios de comunicação de massa em poucas mãos. Mas também não é suficiente garantirmos a democratização da mídia se não houver mobilização, envolvimento e construção de discursos. Além disso, não podemos travar a luta pela democratização da comunicação sem ter como objetivo maior a construção desse outro mundo mais justo e digno, onde todos tenham voz.

É importante termos claros os princípios que nos unem e as práticas que podem consolidá-los. O marroquino Mohamed Legthas, do portal E-joussour, compartilhou a experiência em seu país, onde a apropriação das redes sociais teve relevância para a organização popular contra o regime, mas terminou sua fala com o seguinte questionamento: de que adianta derrubarmos governos, ou acamparmos em praças, se tais atitudes não contribuírem efetivamente para a consolidação dos anseios democráticos?

Como disse o sociólogo português Boaventura de Souza Santos, em outra atividade do Fórum Social Temático, “cuidado: o resultado pode ser pior, pode levar a uma nova forma de barbárie ou barbarismo. Queremos uma democracia real e participativa, mas como construí-la?”, provocou. Leia o texto completo »

share save 171 16 Para que todas as mídias sejam livres

Nenhum comentário »

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Programa Cultura Viva inspira políticas culturais na América Latina

, , , , ,

I Encontro Mundial das Redes dos Pontos de Cultura e Rede Sem Fronteiras acontece em Canoas durante o Fórum Social Temático

Texto por Rachel Bragatto e imagens por Michele Torinelli

Com o objetivo de debater a internacionalização e o intercâmbio entre os pontos de cultura, foi realizado nessa quarta-feira (25) o I Encontro Mundial das Redes dos Pontos de Cultura e Rede Sem Fronteiras. Na atividade, que reuniu cerca de cem pessoas, estavam presentes representantes governamentais e de organizações culturais do Brasil, Colômbia, Costa Rica, Paraguai, Nicarágua, Uruguai e Argentina.

IMG 7813 Programa Cultura Viva inspira políticas culturais na América Latina
Ponteiros participam do debate

Iniciativa pioneira do Ministério da Cultura brasileiro, o Programa Cultura Viva, do qual fazem parte os Pontos de Cultura, representou uma ruptura com os antigos padrões de financiamento da área cultural. O governo passou a incentivar o trabalho de organizações e entidades civis, contribuindo para dar visibilidade à pluralidade e diversidade da cultura brasileira. Por meio da descentralização de recursos e empoderamento da sociedade, os fazedores de cultura tornaram-se articuladores e protagonistas de parte da política cultural nacional. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), os pontos de cultura reúnem hoje cerca de 8 milhões de pessoas em torno de suas iniciativas.

O modelo brasileiro influenciou e inspirou os vizinhos latino-americanos. Hoje, nove outros países do continente estão iniciando o processo de constituição de pontos de cultura e investindo na formação das suas redes. A Argentina, por exemplo, já conta com 98 experiências em curso e em Medelin, na Colômbia, foi recém-aprovada uma lei que cria e regulamenta os Pontos de Cultura.

IMG 7792 Programa Cultura Viva inspira políticas culturais na América Latina
Jorge Cardona, representante da Plataforma Puente de Medelin

Para o colombiano Jorge Cardona, representante da Plataforma Puente, é fundamental articular as iniciativas do continente para avançar na constituição de políticas culturais fortes e mobilizadas. Nesse sentido, Cardona propôs uma agenda de compromissos aos participantes que inclui a realização de atos concomitantes em diversos países; a proposição aos governos de um programa de cooperação cultural sulamericana e o mapeamento das iniciativas em voga nos países.

Na Costa Rica está em curso o debate sobre o novo Plano Nacional de Cultura, sendo que os pontos fazem parte desse projeto. “Até o momento o país conta com apenas um ponto de cultura em funcionamento sendo essa troca de experiências fundamental para que fortaleçamos laços e cresçamos juntos”, afirmou Rodrigo Martinez, representante do Colectivo 8 Redemolinos, de San José.

IMG 7801 Programa Cultura Viva inspira políticas culturais na América Latina
Rodrigo Martinez do Colectivo 8 Redemolinos, da Costa Rica

Além dos debates, a atividade contou com grupos de trabalho, responsáveis por elaborar propostas para uma agenda comum da Rede Mundial dos Pontos de Cultura. O documento deve estabelecer critérios e posicionamentos do movimento para a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental, que ocorre no Rio de Janeiro em junho, encontro transversal à Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20.

Preocupações com a situação brasileira do programa Cultura Viva

Porém, nem tudo são flores no que se refere à situação brasileira. Assim como vem ocorrendo em diversos encontros dos fazedores de cultura, houve críticas à atual gestão sendo pontuadas desde questões orçamentárias até as próprias exigências legais do modelo de convênio.

Conforme Célio Turino, considerado um dos idealizadores do Programa Cultura Viva, é central que se discuta e aprimore o marco legal do programa de forma a estimular a autonomia dos atores e a quebra de hierarquias. “Esse marco não nos cabe e não devemos fazer com que os pontos se adaptem a ele. Precisamos modificá-lo para que ele se adapte à realidade dos pontos”, afirmou sob aplausos.

share save 171 16 Programa Cultura Viva inspira políticas culturais na América Latina

Nenhum comentário »

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Imagens da marcha de abertura

, , , ,

Fórum Social Temático. Porto Alegre, 24 de janeiro de 2012.

Por Michele Torinelli.

IMG 7567 Imagens da marcha de abertura

IMG 7616 Imagens da marcha de abertura

IMG 7536 Imagens da marcha de abertura

IMG 7595 Imagens da marcha de abertura

IMG 7577 Imagens da marcha de abertura

IMG 7551 Imagens da marcha de abertura

IMG 7645 Imagens da marcha de abertura

IMG 7663 Imagens da marcha de abertura

IMG 7636 Imagens da marcha de abertura

IMG 7726 Imagens da marcha de abertura

IMG 7733 Imagens da marcha de abertura

IMG 7753 Imagens da marcha de abertura

IMG 7761 Imagens da marcha de abertura

IMG 7766 Imagens da marcha de abertura

share save 171 16 Imagens da marcha de abertura

Nenhum comentário »

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Soylocoporti realizará atividade sobre comunicação compartilhada no Fórum Social Temático

, , , , , , , , , , ,

Oficina pretende trocar experiências de comunicação compartilhada tendo como perspectiva a cobertura colaborativa do II Fórum Mundial de Mídia Livre

IMG 7281.internet Soylocoporti realizará atividade sobre comunicação compartilhada no Fórum Social Temático
Imagem: Francele Cocco para a comunicação compartilhada do Festival de Cultura, 2010.

Entre a vasta programação do Fórum Social Temático, que começa na terça-feira (24) em Porto Alegre e região, está a atividade autogestionária “Comunicação Compartilhada: experiências anteriores e expectativas para o II Fórum Mundial de Mídia Livre”, proposta pelo Coletivo Soylocoporti.

A oficina acontecerá na quinta-feira (26) às 13h na Casa de Cultura Mário Quintana – local que sediará o III Fórum de Mídia Livre.

Confira a proposta da atividade:

O intuito é contribuir para a mobilização, construção e difusão de iniciativas de comunicação compartilhada – debatendo o formato da experiência e instigando os interessados para a construção e planejamento de outras iniciativas e, em especial, do II Fórum Mundial de Mídia Livre.

O conceito de comunicação compartilhada explora a utilização do potencial descentralizador e multimidiático da internet, fundamental para criar visibilidade para iniciativas contra-hegemônicas e marginalizadas pela mídia tradicional. Mas, mais que isso, o seu uso em rede permite a articulação e a mobilização de atores, entrando numa era em que pontos isolados são substituídos por nós da rede e que a contribuição e a cooperação sobrepõem a competição.

Partindo de experiências como a da Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada e ampliando o escopo dos agentes envolvidos para além de jornalistas já inseridos no processo, o Coletivo Soylocoporti buscou formar novos comunicadores dispostos a tomar parte ativa na cobertura de atividades populares e alternativas. O Festival de Cultura do Paraná 2009 foi o laboratório efetivo dessa prática, a partir da qual pode-se contribuir com o FSM 10, FSM 11, Festival de Cultura 2009 e 2010, Teia Sul 2010, Teia Nacional 2010, FISL 2010 e as Jornadas de Agroecologia da Via Campesina 2010 e 2011 – contribuições relativas à produção de conteúdo, formas de distribuição, assim como reflexões sobre o método e a concepção geral das iniciativas.

Pretendemos apresentar os princípios, a metodologia e o resultado desssas iniciativas, incluindo a distribuição de seus produtos – a Cartilha da Cultura Digital (um mini-tutorial de como produzir e publicar conteúdos na rede) e a revista Festival (Cultura – da universidade às ruas), produzida a partir de contribuições da comunicação compartilhada. Em seguida, abriremos para o debate, visando coletar impressões e mapear iniciativas correlatas e parceiros. Um importante horizonte é a realização do II FMML, que antecederá a Cúpula dos Povos da Rio+20.

share save 171 16 Soylocoporti realizará atividade sobre comunicação compartilhada no Fórum Social Temático

Nenhum comentário »

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

III Fórum de Midia Livre mobiliza a comunicação rumo a Porto Alegre

, , , , , , ,

Quarta-feira 11 de janeiro de 2012, por Rita Freire
Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada

É a terceira edição promovida pela comunicação brasileira, desta vez com participação internacional, e exibe uma pauta que vai bem longe de um debate corporativo entre pequenos meios. É estratégica.

Casa de cultura mário quintana 243x300 III Fórum de Midia Livre mobiliza a comunicação rumo a Porto Alegre

Dias 27 e 28 de Janeiro, a Casa de Cultura Mário Quintana, espaço acolhedor do centro da cidade de Porto Alegre, que ja foi moradia do poeta gaúcho que deu nome ao lugar, atrairá jornalistas, blogueiros/as, desenvolvedores e usuários de Software Livre e ativistas da comunicação para fazerem juntos o III Fórum de Mídia Livre.

O ambiente será particularmente propício nesses dias. O Fórum compartilhará espaço com o evento “Conexões Globais“, dedicado a oficinas e práticas de comunicação com uso de internet, e que falará por meio de painéis e webconferências com indignados e indignadas que mundo afora estão utilizando as redes para mudar regimes, contestar políticas autoritárias e defender direitos e democracia direta.

O Fórum de Midia Livre introduzirá nesse ambiente o debate conceitual e político e as propostas para uma comunicação radicalmente democrática. É a terceira edição promovida pela comunicação brasileira e exibe uma pauta que vai bem longe de um debate corporativo entre pequenos meios. É estratégica. Acena para o direito à comunicação como estruturante dos debates. Para as políticas públicas como condicionantes da regulação, acesso e democratização da mídia. E para a apropriação tecnológica como um dos horizontes imediatos do movimento e também ferramenta de mobilização.

Participarão organizações chave do movimento de comunicação brasileiro como Intervozes, Centro de Estudos da Midia Alternativa Barão de Itararé e FNDC – Fórum Nacional pela Democratização da Mídia, movimento Blog Prog (blogosfera progressista), publicações como Revista Fórum e Viração, coletivos desenvolvedores de plataformas em software livre (ver artigo), pontos de cultura como Pontão Ganesha de Cultura Digital e Pontão Eco, e iniciativas de comunicação compartilhada como a Rede Viração. Imersão Latina, Coletivo Soylocoporti, além da própria Ciranda e do site WSFTV. entre outros coletivos

Mesmo brasileiro, o Fórum de Mídia Livre mostra claramente que internacionalizou seus diálogos. Terá presenças vindas da primavera árabe, para uma ponte com o I Fórum de Mídia Livre no mundo afro-árabe, programado para este primeiro semestre ainda e que será apresentado por Mohamed Legthas, do portal Ejoussour, do Marrocos, ao lado de mídias que atuam na ou sobre a Palestina Ocupada, um estado de Apartheid em pleno século XXI.

Os debates terão contribuições de palestrantes da América Latina, que avança em políticas democratizadoras do setor e enfrenta enorme bombardeio dos grandes meios de comunicação. E será também o passo inicial de 2012 rumo ao II Fórum Mundial de Mídia Livre, que ocorrerá em junho deste ano, inserido no calendário da Cúpula dos Povos para a Rio + 20.

A programação geral do III Fórum de Mídia Livre pode ser conferida no site do FML.

share save 171 16 III Fórum de Midia Livre mobiliza a comunicação rumo a Porto Alegre

2 comentários »

Blog integrante da rede Soylocoporti